CHINARTE Artes da Saúde

Novas Aprendizagens, Estar e Ser Naturalmente!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Qigong / Chi Kung

por Nelson Barroso


O Qigong tem origem em tempos remotos. Existem relatos escritos, datados do ano 230 A.C., sobre uma dança que fortalecia o corpo, regulava a respiração, activava a circulação sanguínea, e tratava algumas doenças. Ao longo dos séculos os conhecimentos desta prática milenar foram enriquecendo. E eventualmente, estarão a interrogar-se: Qigong, afinal de que se trata? O Qigong consiste no exercício ou trabalho da energia interna através do controlo do movimento e da respiração, com o objectivo de promover o fluir do Qi (Chi) ao longo dos meridianos do corpo. A expressão CHI significa energia, é um conceito que abrange diversos significados e que num programa posterior desenvolveremos. Por outro lado, os Meridianos são canais por onde circula essa energia. O termo Qigong abrange, mas, também, ultrapassa o conceito de “ginástica” que se utiliza no Ocidente, uma vez que o Qigong engloba, exercícios estáticos, e dinâmicos que visam promover em simultâneo o trabalho do corpo físico, mental, emocional e energético. Actualmente, está comprovado que o Qigong estimula o sistema imunitário e favorece o tratamento de inflamações e degenerações orgânicas. Tem um efeito calmante no sistema nervoso e consequentemente é altamente benéfico no tratamento de casos clínicos de ansiedade, insónia e depressão. Também, a nível físico se revela altamente eficaz e aconselhável a sua prática, uma vez que promove o livre fluir da energia, melhorando a circulação sanguínea, atenuando e eliminando as dores musculares, artroses, problemas gastrointestinais, tensões nervosas, entre muitos outros sintomas. Porém, só com a prática assídua de Qigong se previne o aparecimento de doenças e se obtém um efeito terapêutico sobre problemas já existentes. O Qigong actua de forma natural e sem ter quaisquer efeitos secundários prejudiciais. Para além, disso é uma actividade agradável, estimulante, mas também relaxante. Continuando com a nossa explanação, diremos que o Qigong é como escovar os dentes ou tomar um duche. Uma vez que se lava diariamente o corpo, porque não “lavar” todos os dias a energia? O Qigong lava, limpa e purifica a energia pessoal, tal como se tomássemos um duche internamente. A sensação de regeneração é denotada no abrandar do processo de envelhecimento. Contudo, a verdadeira vantagem, não se prende com o aumento de esperança de vida e prolongamento de juventude, mas sim, pretende-se viver o mais possível, com uma elevada qualidade de vida, isto é, num conceito de boa forma física, interna e externa, e num bom estado mental e emocional. Este é um desafio que vale a pena todos terem, dedicando tempo à prática de Qigong.

Pratique Qigong,

Viva com mais energia, bem-estar e saúde plena.

Viana do Castelo, 31 de Agosto de 1011

Tai Chi e Chi Kung: Competição ou Promoção da Saúde e da Alegria de Viver?

por Diana Roque

Atendendo à actual controvérsia que paira na actualidade Portuguesa sobre as práticas de Tai Chi e Chi Kung, achei interessante realizar a seguinte exposição, com o intuito de esclarecer aqueles que ignoram estes factos ou apenas os menosprezam.

1. A modalidade de Tai Chi Chuan não se identifica exclusivamente como prática Marcial Chinesa, sendo principalmente e fundamentalmente na actualidade conotada com a Prática Desportiva (isenta de actividade marcial), como um Método para Manutenção e Promoção da Saúde, e como um Método Terapêutico aplicado no tratamento de algumas doenças.


2. A modalidade de Qigong (Chi Kung) não se identifica em absoluto como uma prática Marcial Chinesa, sendo em concreto uma disciplina que visa três tipos de actividades distintas: Prática Desportiva, Método para Manutenção e Promoção da Saúde, Método Terapêutico aplicado, isoladamente ou complementarmente, no tratamento de múltiplas doenças.

2.1. No seguimento do item 2., importa, informar que na República Popular da China a prática da modalidade de Chi Kung originou a constituição e o desenvolvimento de uma Associação específica, independente e autónoma no que respeita às artes marciais Chinesas de Wushu, as quais são reguladas pela CHINESE WUSHU ASSOCIATION, em virtude de nestas práticas se incorporarem diversos sistemas que visam de forma particular o desenvolvimento da prática de promoção e manutenção da saúde, bem como se comprovar que os diversos sistemas e técnicas tradicionais e modernas compõem um sistema metodológico pluralista no âmbito da aplicação terapêutica. Nesta conformidade na China existe uma entidade oficial independente para regulação das actividades de Chi Kung, respectivamente a CHINESE HEALTH QIGONG ASSOCIATION. No site da CHINESE HEALTH QIGONG ASSOCIATION - http://jsqg.sport.org.cn/en/index.html - constam inúmeros estudos científicos que comprovam que o Chi Kung é um método terapêutico, bem como um sistema de diversas práticas / exercícios físicos, mentais e energéticos que visam a manutenção e desenvolvimento da saúde e nesta perspectiva abstrai-se totalmente do conceito de Arte de Wushu (Artes Marciais Chinesas) ou Desporto.

2.2. Atendendo ao acima exposto, releva, também, salientar o conceito de prática de kungfu / wushu e prática de Chi Kung, a primeira desenvolve-se no âmbito das Artes Marciais Chinesas Modernas de Competição e a segunda, é uma modalidade complementar, que não se inclui nas Artes Marciais Chinesas Modernas de Competição (Wushu). Portanto, o Chi Kung deveria ser excluído em absoluto do âmbito das Artes Marciais Chinesas, uma vez que é uma disciplina muito genérica que abarca uma panóplia pluridisciplinar de actividades que visam o trabalho físico, mental e energético.

2.3. Alguns sistemas e estilos marciais Chineses cultivam e desenvolvem em paralelo práticas de Chi Kung como forma de reabilitação do corpo físico e mental, de forma a promover a saúde e o fortalecimento físico e mental. Contudo, deve entender-se que a prática de Chi Kung não é uma Arte Marcial, mas sim um complemento útil, tal como uma boa dieta alimentar, e bons hábitos quotidianos tais como repouso suficiente, evitar trabalho excesso, etc. De facto o Chi Kung é um método de prevenção de desequilíbrios e um método terapêutico de reabilitação física, mental e energética, extremamente eficaz, permitindo manter e desenvolver o equilíbrio corpo-mente-espírito e desde logo promover o estado de saúde plena. O Chi Kung é na China e no Mundo, o que o Yoga é na India e no Mundo.

3. A Organização Mundial de Saúde reconhece as modalidades de Chi Kung e Tai Chi como disciplinas terapêuticas e de promoção da Saúde que proporcionam uma melhoria da Qualidade de Vida. Nesta perspectiva a prática pode ser feita para benefício individual ou de terceiros, de forma isolada ou em grupo. Sim, pois a terapia de grupo cria uma dinamização superior e uma mais-valia acrescida em muitas situações, tal como sucede com outras disciplinas terapêuticas, como por exemplo no ramo da Psicologia.

3.1. No mundo e em Portugal o Chi Kung e o Tai Chi integram os programas de formação das Escolas de Formação em Medicina Tradicional Chinesa e outras Medicinas Não Convencionais, uma vez que são parte relevante no processo de reequilíbrio energético dos terapeutas e dos respectivos pacientes.

4. Importa enfatizar também o carácter lúdico e cultural destas práticas que são uma fonte simples de promoção de convívio social e da dignidade histórica das artes tradicionais, honrando-as e preservando a riqueza ancestral que se lhes associa.

Concluindo, a perspectiva de Desporto de Competição é a componente mais pobre da panorâmica destas artes, pois limita-se a uma pequena porção do Universo de profissionais e praticantes de Tai Chi e Chi Kung. Assim sendo, realmente, importante é incentivar a criação das condições necessárias para fomentar a prática destas Artes de Desporto da Saúde, Lúdicas e Desenvolvimento Pessoal, na perspectiva vivenciada por milhares de pessoas e não apenas na perspectiva de umas dezenas de indivíduos que de facto se interessam pelo Desporto Federativo que fomenta a Competição e não a Saúde e a Alegria de Viver dos Portugueses em geral.
Coimbra, 30 de Outubro de 2011